Mitologia Grega
.Disfarçado em touro, Zeus raptara Europa, filha de Agenor, rei da Fenícia. Agenor ordenou a seu filho Cadmo que saísse à procura da irmã e não voltasse sem ela. Cadmo saiu então estrada afora com seus servos. Correu mundo, mas não conseguiu encontrá-la e, não se atrevendo a regressar sem cumprir missão, consultou o oráculo de Apolo, para saber em que país deveria fixar-se. O oráculo respondeu que ele encontraria uma vaca no campo e deveria segui-la, acompanhando-a aonde fosse e, onde a vaca parasse, ele deveria construir uma cidade e chamá-la de Tebas. Cadmo mal saíra e logo avistou uma novilha, caminhando vagarosamente diante dele. Seguiu-a de perto até que em um certo momento, a vaca ficou imóvel, levantando a cabeça para o céu e enchendo o ar com seus mugidos. Cadmo agradeceu ao deus e desejando oferecer um sacrifício, mandou que seus companheiros procurassem água pura para a libação (ver link "crenças"). Perto, estendia-se um velho bosque no meio do qual havia uma gruta, escondida pelo mato espesso, onde saía uma fonte de água puríssima. Na caverna dormia uma horrível e gigantesca serpente. Mal haviam os servos mergulhado seus potes na fonte, provocando um ruído na água, a serpente levantou a cabeça fora da gruta e soltou um silvo horripilante. Eles deixaram cair as vasilhas e puseram-se a tremer da cabeça aos pés. A serpente matou alguns com seus dentes, outros com seu abraço e outros com sua respiração venenosa.
Tendo esperado até meio-dia pelo regresso de seus homens, Cadmo saiu à sua procura. Não demorou a encontrar a nascente e ver os seus homens sem vida e o monstro com as maxilas ensangüentadas. Cadmo não hesitou, ergueu uma enorme pedra e atirou-a, com toda força na serpente, mas isso não abalou o monstro. Arremessou seu dardo. O ferro penetrou na pele escamosa. Furiosa com a dor, a grandiosa cobra, tentou arrancar a arma com os dentes, mas quebrou-a, deixando a ponta de ferro cravada em sua carne. Contorceu-se e ficou estendida no chão, Cadmo, então, apontou a lança para a boca escancarada do animal que tentou morder sua ponta de ferro. De súbito, a serpente chocou-se com um galho de árvore que transpassou sua garganta, ferindo-a mortalmente.
Enquanto o vencedor contemplava seu adversário, ouviu uma voz ordenando-lhe que tomasse os dentes da serpente e com eles semeasse a terra. Obedeceu. Abriu uma cova na terra e semeou os dentes, destinados a produzir uma colheita de homens. Mal o acabara de fazer, os torrões ergueram-se, transformando-se em uma leva de guerreiros. Cadmo, assustado, preparava-se para lutar quando, de repente, os soldados começaram a lutar entre si, até que todos caíram, mortos uns pelos outros. Cinco deles, porém, escaparam sãos e salvos do combate e declararam paz. Foi com a ajuda deles que Cadmo fundou Tebas.
Cadmo casou-se com Harmonia, filha de Afrodite. Teve quatro filhas, uma delas, Sêmele, concebeu Dioniso. Outra, Agave, deu à luz Penteu, o infeliz rei de Tebas que se recusou a receber Dioniso e o cortejo de bacantes (veja esses fatos relacionados ao deus Dioniso no link "histórias").
Segundo a tradição, Cadmo introduziu na Grécia as letras do alfabeto, inventadas pelos fenícios (saiba mais sobre o a origem do alfabeto grego e suas influências no link "alfabeto").

menu de reis

Cadmo
Helena
Jocasta
Midas
Minos
Sísifos